Estudo inédito descobre 42 genes previamente desconhecidos ligados ao Alzheimer

Descoberta fornecerá aos cientistas novos alvos potenciais para tratamentos, medicamentos e mudanças no estilo de vida que podem reduzir o risco da doença

Fonte: CNN SAUDE

Outros 42 genes ligados ao desenvolvimento da doença de Alzheimer foram descobertos no maior estudo de risco genético para a doença de Alzheimer realizado até hoje.

“Este é um estudo de referência no campo da pesquisa de Alzheimer e é o culminar de 30 anos de trabalho”, disse a coautora do estudo Julie Williams, diretora do Instituto de Pesquisa de Demência do Reino Unido na Universidade de Cardiff, em um comunicado

“Fatores de estilo de vida, como tabagismoexercícios e dieta, influenciam nosso desenvolvimento da doença de Alzheimer, e agir para lidar com isso agora é uma maneira positiva de reduzir o risco”, disse.

“No entanto, 60-80% do risco de doença é baseado em nossa genética e, portanto, devemos continuar a procurar as causas biológicas e desenvolver tratamentos muito necessários para milhões de pessoas afetadas em todo o mundo” acrescentou.

Os genes anteriormente desconhecidos apontam para caminhos adicionais para a progressão da doença além do conhecido gene APOE e4 ou o desenvolvimento de beta-amilóide e tau, duas proteínas marcantes que se acumulam no cérebro com resultados devastadores à medida que a doença de Alzheimer progride.

“Criar uma extensa lista de genes de risco para a doença de Alzheimer é como juntar as peças de um quebra-cabeça e, embora este trabalho não nos dê uma imagem completa, fornece uma estrutura valiosa para desenvolvimentos futuros”, disse Susan Kohlhaas, diretora de pesquisa na Alzheimer’s Research UK, que não esteve envolvido na pesquisa.

Vários dos genes recém-descobertos se concentram em reações muito detalhadas entre proteínas no corpo que governam como a inflamação e o sistema imunológico podem danificar as células cerebrais, segundo o estudo.

“As novas variantes de risco identificadas no presente estudo estão significativamente associadas à progressão” para a doença de Alzheimer, diz o estudo, publicado segunda-feira na revista Nature Genetics.

A descoberta fornecerá aos cientistas novos alvos potenciais para tratamentos, medicamentos e mudanças no estilo de vida que podem reduzir o risco da doença cerebral mortal, dizem os especialistas.

“O futuro da doença de Alzheimer é a medicina de precisão e prevenção”, disse o Dr. Richard Isaacson, diretor da Clínica de Prevenção de Alzheimer no Centro de Saúde do Cérebro da Faculdade de Medicina Schmidt da Florida Atlantic University.

“Este artigo nos dá muito mais ferramentas em nossa caixa de ferramentas para, eventualmente, atacar com mais precisão a doença de Alzheimer”, disse Isaacson, que não esteve envolvido no estudo.

Novas vias de doença

O estudo global analisou os genomas de 111.326 pessoas com diagnóstico clínico de Alzheimer e comparou aqueles com genes de 677.663 pessoas cognitivamente saudáveis. Os genomas foram fornecidos por clínicas em mais de 15 membros da União Europeia, Argentina, Austrália, Brasil, Canadá, Islândia, Nigéria, Nova Zelândia, Reino Unido e Estados Unidos.

O estudo identificou 75 genes que estão ligados a um risco aumentado de Alzheimer, 33 dos quais já eram conhecidos. Também confirmou anos de pesquisa sobre os papéis da beta amilóide e da tau.

Dos 42 novos genes encontrados ligados à doença de Alzheimer, muitos se agruparam em várias vias suspeitas, mas não confirmadas, para o desenvolvimento da doença. Um desses caminhos é o sistema imunológico do corpo, projetado para nos proteger de invasores de germes.

Vários genes foram associados a um regulador imunológico chamado LUBAC, que o corpo precisa para ativar os genes e prevenir a morte celular. O estudo também descobriu que a microglia, células imunes no cérebro que são encarregadas de “tirar o lixo” – limpando os neurônios danificados – desempenham um papel fundamental em pessoas com doença de Alzheimer diagnosticada.

Alguns dos genes recém-descobertos podem fazer com que a microglia seja menos eficiente, “o que poderia acelerar a doença”, disse Williams.

Outra via importante, de acordo com o estudo, envolve genes associados à inflamação. O corpo usa a inflamação como mecanismo de defesa para matar patógenos, mas também desempenha um papel na remoção de células danificadas.

Uma proteína que se destacou no estudo foi o fator de necrose tumoral alfa, que é feito pelo sistema imunológico para regular a inflamação. O estudo encontrou um conjunto de genes associados ao TNF, como é chamado. Embora o verdadeiro papel do produto químico seja reunir as defesas do corpo para uma luta, ele também é culpado em muitas doenças autoimunes nas quais o corpo se volta contra si mesmo, como artrite reumatóide e psoriática, doença de Crohn e diabetes tipo 1.

Interações genéticas complicadas adicionais foram encontradas pelo estudo, todas as quais ilustram que “a doença de Alzheimer é uma doença multifatorial, composta de diferentes patologias, e cada pessoa tem seu próprio caminho”, disse Isaacson.

“Os médicos sempre dizem, ‘uma vez que você viu uma pessoa com Alzheimer, você viu uma pessoa com Alzheimer.’ A doença se apresenta de maneira diferente e progride de maneira diferente em pessoas diferentes”, disse ele.

Uma causa comum?

Outro insight importante do estudo foi que distúrbios cerebrais como Parkinson, demência frontotemporal, doença de corpos de Lewy e esclerose lateral amiotrófica podem ter a mesma base genética subjacente: “Tomados como um todo, esses dados podem enfatizar um potencial contínuo entre doenças neurodegenerativas”, disse o estudo.

“A comunidade científica e médica vê os processos de doenças neurodegenerativas como muito diferentes e distintos, e é assim que os estudamos há muito tempo”, disse o Dr. Kellyann Niotis, neurologista especializado em prevenção de Alzheimer e Parkinson na Weill Cornell Medicine.

“Isso enfatiza que pode haver um ‘continuum’ maior entre esses processos de doença do que realmente entendíamos antes”, disse Niotis, que não esteve envolvido no estudo.

“Os jovens podem ter riscos genéticos subjacentes semelhantes, e podem levar ao Parkinson em uma pessoa e Alzheimer na outra”, disse ela. “Na realidade, é menos relevante. O que importa é entender que isso é o que está acontecendo de errado em seu corpo, então vamos começar cedo e direcionar esse caminho.”

Ao gerar esse quadro mais completo de risco genético – que precisa ser detalhado e definido em estudos futuros – os autores do estudo também desenvolveram “um novo sistema de pontuação para prever o risco da doença de Alzheimer”, disse Tara Spires-Jones, vice-diretora do Center for Discovery Brain Sciences da Universidade de Edimburgo, em um comunicado.

“Esta ferramenta será útil para pesquisadores, mas provavelmente não será usada tão cedo para pessoas que não estão participando de ensaios clínicos”, disse Spires-Jones, que não esteve envolvido no estudo.

Pesquisadores clínicos como Isaacson e Niotis sabem que uma ferramenta como essa é exatamente o que os pacientes que estão preocupados com a saúde do cérebro querem.

“As pessoas querem saber, ‘quais são minhas chances?’ e então ‘o que posso fazer sobre isso?’ “, disse Isaqueson.

“Não hoje, mas em um futuro próximo, seremos capazes de calcular a probabilidade de uma pessoa desenvolver Alzheimer ou outro distúrbio cerebral de uma maneira mais precisa, e isso ajudará na precisão médica e no gerenciamento do estilo de vida”.

Fonte: CNN

Caixa de Comentarios do Facebook
Compartilhe